o nível cultural é muito importante

Sinopse

Acabei de assistir à final do campeonato mundial de vôlei masculino: Brasil bicampeão do mundo!!! Não ouvi um foguete em Porto Alegre. Amanhã, os atletas do Brasil que dá certo chegarão quase anônimos ao país. Pouco se falará no título. Nos últimos 21 campeonatos que o Brasil disputou, ganhou 17!!! Mas parece que gostamos mesmo é dos desqualificados do futebol. Parece que não apreciamos organização, treinamento árduo e seriedade. São os atributos da comissão técnica, dos dirigentes e dos atletas do vôlei. Gostamos dos bagunceiros do futebol. Gostamos de ver vadias correndo atrás dos jogadores de futebol que mal sabem falar português e concatenar dois pensamentos. Vocês já ouviram as entrevistas do Ronaldinho Gaúcho? São lamentáveis. Ele parece embriagado quando fala, rindo o tempo todo. E o Ronaldo com as suas “loiras”??? E o Roberto Carlos dizendo que “jogar na seleção não dá dinheiro”?

Fiquei pensando porque o futebol é assim e porque o vôlei é assim. Uma das causas: nível cultural. De todos, do presidente da confederação de vôlei até os jogadores. Nível cultural é muito importante!!!

Passo o tempo todo nas empresas insistindo que o processo de seleção é o mais importante. Selecionem apenas pessoas com bom padrão pessoal, em todos os sentidos, é a minha orientação. Não selecionem encrenqueiros, pessoas com baixo nível cultural, sindicalistas, pessoas que não cuidam do próprio corpo, doentes, relaxados etc. Estes farão sua empresa ficar igual a eles.

Uma empresa são as suas pessoas. Os testes de RH para seleção não devem se limitar ao básico. Especialmente na contratação de executivos. Gerentes de RH devem vasculhar a vida do candidato e não apenas basearem-se em entrevistas, currículo e um telefonema para o último emprego. Há muitos mentirosos no mercado. As próprias empresas de head hunter não funcionam com a qualidade que deveriam. São muito limitadas e parecem querer “empurrar” o candidato apenas de olho na comissão.

Um abraço a todos e bom trabalho!!!


Paulo Ricardo Mubarack
Baixe o artigo em PDF